OUTUBRO ROSA: nutricionista fala sobre câncer de mama e hábitos alimentares

21/10/2019 - 07:10

É chegado o mês de outubro e o mundo fica mais rosa. O período foi escolhido para realização da campanha “Outubro Rosa”, que ocorre todos os anos mundialmente com a intenção de alertar a sociedade sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama. 

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a doença é segundo tipo que mais acomete brasileiras, representando em torno de 25% de todos os cânceres que afetam o sexo feminino. Para o Brasil, foram estimados 59.700 casos novos de câncer de mama em 2019, com risco estimado de 56 casos a cada 100 mil mulheres.

Mas além do alerta, a campanha visa à disseminação de dados preventivos e ressalta a importância de olhar com atenção para a saúde. E como saúde e prevenção tem tudo haver com alimentação, convidamos a nutricionista Tatiane Rios para falar um pouco sobre hábitos alimentares relacionados ao câncer de mama. 

A profissional atua no Núcleo de oncologia da Bahia, é mestre em Alimentos, Nutrição e saúde pela UFBA, pós graduada em Nutrição Clínica Funcional pela Unicsul e realizou capacitação em Nutrição Oncológica pelo INCA.

ENTREVISTA:

QUAIS FATORES PODEM CONTRIBUIR PARA QUE UMA PESSOA TENHA CÂNCER DE MAMA? 

Diversos fatores podem contribuir para que uma pessoa tenha câncer de mama, como: idade (mulheres acima dos 50 anos), fatores hereditários (mutações genéticas), história reprodutiva (estímulo estrogênico), estilo de vida, incluindo o excesso de peso, principalmente na pós menopausa.

FALE UM POUCO SOBRE ESSE TIPO DE DOENÇA NOS HOMENS.

Apesar de raro, o câncer de mama também pode acometer homens com idade a partir dos 60, uma vez que eles também possuem glândula mamária. A dificuldade está no diagnóstico, pois não existem exames de rastreio como a mamografia para mulheres, dessa forma é essencial que o homem conheça o seu corpo.

NUT. Tatiane Rios

QUAL A RELAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA?

Quando pensamos na prevenção, devemos estar atentos ao impacto das escolhas alimentares do nosso paciente, uma vez que alimentos com alto valor energético, rico em gordura saturada, pobre em fibras podem estar estimulando o ganho de peso excessivo que é um dos fatores de risco para o câncer de mama. Estas escolhas alimentares também podem impactar negativamente no tratamento, pois estes alimentos podem exacerbar as toxicidades provocadas pelos medicamentos antineoplásicos, como náuseas, obstipação, entre outros.

QUAIS HÁBITOS DE VIDA AS PESSOAS PODEM ADOTAR PARA EVITAR O CÂNCER DE MAMA?

Segundo a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), aproximadamente 25% dos casos de câncer de mama no mundo ocorre devido ao excesso de peso e sedentarismo. Dessa forma, se as pessoas praticarem atividade física, pelos menos 150 minutos semanais como orientado pelo Organização Mundial de Saúde (OMS) e aumentar consumo de fibras, frutas e verduras, preferencialmente orgânicas, reduzir consumo de alimentos ricos em gordura saturada e carboidrato refinado, elas podem diminuir as chances de desenvolver câncer de mama.

O ESTADO NUTRICIONAL PODE INTERFERIR NO PROGNÓSTICO DO PACIENTE?

Sim, já é bem descrito na literatura que pacientes em risco nutricional ou já no estado de caquexia apresentam menor tolerância ao tratamento oncológico, devido menor capacidade funcional e menor metabolização das drogas e consequentemente um pior prognóstico. Mas também, já se vem estudando a obesidade como um fator de pior prognóstico. As metodologias dos estudos são diversas, mas acredita-se que pode estar relacionado
com outras comorbidades associadas, estádio mais avançado ao diagnóstico, estados pró-inflamatório e influências hormonais, dentre elas níveis elevados de estrogênio.

DURANTE O TRATAMENTO DO CÂNCER, OS PACIENTES PODEM TER PERDAS NUTRICIONAIS?

Sim, isso ocorre devido as toxicidades do tratamento que levam a redução da ingestão habitual, como a disgeusia causada por quimioterápicos como paclitaxel e carboplatina, as náuseas causadas pela doxorrubicina e a diarreia provocada pela capecitabina.

O QUE RECOMENDARIA COMO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E ADEQUADA DURANTE O TRATAMENTO DO CÂNCER?

Primeiro passo é conhecer os efeitos colaterais de cada tratamento proposto para o paciente, o objetivo principal é garantir que o paciente inicie e finalize seu tratamento sem interrupções causadas pelos efeitos colaterais. O estímulo a alimentos naturais, preferencialmente orgânicos e a redução de alimentos altamente processados deve ser prioridade em nossas orientações.

QUAL A IMPORTÂNCIA DA HIDRATAÇÃO NO DECORRER DO TRATAMENTO? O QUÊ INDICA?

A hidratação faz parte da orientação de toda equipe multidisciplinar (médico, nutricionista, enfermeiro e farmacêutico), a hidratação é essencial na eliminação da droga antineoplásica. Segundo Consenso Brasileiro de Nutrição Oncológica, recomenda-se de 30 a 35ml/kg/P.

QUE ALIMENTOS AJUDAM A RECUPERAR E MANTER A ENERGIA DURANTE O TRATAMENTO?

Acredito de fato que cor é vida, dessa forma trabalhar com os vegetais e frutas diversificados nos ajudará no fornecimento de nutrientes essenciais durante o tratamento, por exemplo: os alimentos verdes escuros (couve, rúcula, brócolis, agrião), alimentos alaranjados ( abóbora, cenoura, manga, mamão), alimentos vermelhos (tomate, caqui, romã, melancia), alimentos roxos (uva roxa, jabuticaba, berinjela).

O QUE SÃO OS SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS? ELES PODEM AJUDAR OS PACIENTES? COMO DEVEM SER UTILIZADOS?

Suplementos nutricionais são fórmulas preparadas para complementar a alimentação de um paciente em caso de deficiência de um nutriente específico ou uma ingestão inadequada. Eles podem sim ajudar os pacientes e são utilizados de forma individualizada e com finalidades diversas, por exemplo para favorecer recuperação no pós-operatório, garantir oferta proteica em casos de sarcopenia, melhorar trânsito intestinal, entre outras.

QUAL A RELAÇÃO DO CÂNCER DE MAMA COM O INTESTINO?

Há uma relação entre o intestino e câncer de mama, uma vez que parte do estrogênio é excretado pelas fezes, porém em pacientes com microbiota intestinal comprometida, há um aumento da atividade de uma enzima chamada beta-glucuronidase. Esta enzima, reduz a excreção do hormônio pelas fezes, pois faz a com que o estrogênio sofra desconjugação e seja reabsorvido para circulação aumentando seus níveis circulantes.

QUAIS AS RECOMENDAÇÕES PARA PREVENÇÃO DA DOENÇA?

Para prevenção do câncer recomenda-se buscar bons hábitos alimentares, dar preferência aos orgânicos, praticar atividade física, amamentar se possível, evitar consumo de alimentos com alto teor energético e pobre em fibras, preferir carnes brancas, reduzir consumo de álcool, evitar o cigarro, fazer o autoexame (conhecer o seu corpo) e manter uma rotina regular de acompanhamento médico.

Veja também



Fale Conosco

X

Enviando seu email...

Email enviado com sucesso!